logo
Whatsapp Chat
Envie uma mensagem que lhe retornarei tão logo seja possível.
Menu Fechar
pt Portuguese

5 coisas que você não sabia sobre o mago Merlin, o personagem ficcional

Merlin, o mago da lenda arthuriana, é um personagem complexo e muitas vezes contraditório.

Compartilhar:

Merlin
This entry is part [part not set] of 7 in the series Personagem

O mago da lenda arthuriana, Merlin, é um personagem complexo e muitas vezes contraditório.

Veja aqui 5 coisas que você pode não saber sobre ele:

  1. Seu nome na verdade não é Merlin. Em muitas versões da lenda, ele é chamado de Myrddin, e só mais tarde assume o nome de Merlin.
  2. Ele nem sempre é um mago. Em algumas versões da lenda, ele é um bardo ou um vidente.
  3. Ele nem sempre é um cara legal. Em algumas versões da lenda, ele é um trapaceiro ou até mesmo um vilão.
  4. Ele nem sempre é retratado como velho. Em algumas versões da lenda, ele é um jovem ou mesmo um menino.
  5. Ele nem sempre é humano. Em algumas versões da lenda, ele é um elfo ou um demônio.

Ele é um personagem fictício que aparece em muitas obras da lenda arthuriana. Sabe-se que ele é um mago poderoso que usa sua magia para ajudar Arthur e os outros bons personagens das histórias.

Ele também é muito sábio e muitas vezes dá conselhos a Arthur que o ajudam a tomar as decisões certas.

Merlin, o arquétipo de Sábio

Merlin é o arquétipo do mago sábio em muitas narrativas ficcionais.

Ele é frequentemente retratado como um velho sábio com amplo conhecimento de magia e a capacidade de ajudar os outros com seus conselhos.

Em algumas histórias, ele também é um espadachim ou lutador habilidoso.

Ele costuma usar seus conhecimentos e habilidades para ajudar os heróis da história a alcançar seus objetivos.

De muitas maneiras, ele é o exemplo perfeito do poder da sabedoria e do conhecimento.

Ele, um sábio mago, é uma ferramenta poderosa na história do herói.

Ele é capaz de ver o futuro e guiar o herói na direção certa.

O herói muitas vezes confia na sabedoria de Merlin para tomar decisões e evitar o perigo.

Sem Merlin, o herói estaria perdido e a história não seria tão emocionante.

Merlin, figura arquetípica da ficção, um ser criado por uma feiticeira

Ele é um arquétipo da ficção e pode ser visto como um herói.

Ele é um mágico que usa seus poderes para o bem.

Ele ajudou muitas pessoas necessitadas e sempre esteve lá para ajudar a combater o mal.

Ele é um símbolo de esperança e justiça. Ele representa o melhor do que as pessoas podem ser.

Mas, assim como vários arquétipos da mitologia celta, Merlin foi criado por uma feiticeira chamada Mórrigu, que era a deusa das águas, das terras e dos mortos.

Ela criou Merlin como uma experiência humana e por isso ele tinha poderes mágicos incomuns.

Mórrigu também foi a pessoa que deu a famosa espada elegante Excalibur para o rei Arthur.

Depois disso, ela teve um grande ressentimento para com Merlin e seus esforços para impedir Arthur de se tornar o rei dos Bretões.

Merlin, uma figura mitológica

Sendo um personagem lendário do folclore britânico que aparece em muitas histórias e é conhecido por seus poderes mágicos, Merlin, na ficção moderna, já saiu da literatura para a televisão e o cinema.

Essas histórias geralmente apresentam Merlin como um sábio e poderoso mago que ajuda os heróis em suas jornadas, às vezes, as histórias também mostram que ele era humano, não tinha super poderes e, apesar de ser muito sábio e inteligente, também sofria com as mesmas fraquezas que todo mundo.

Mas como saber se essas histórias estão certas ou não? Existem algum fundamento histórico para o personagem do mago Merlin?

Em alguns países celtas, como na Grã-Bretanha e no País de Gales, ele era conhecido como um feiticeiro do séculos VI e VII.

Na época em que os britânicos ainda estavam contra as invasões dos romanos, ele ajudou uma princesa chamada Vivian a se esconder até quando ela foi capaz de tornar-se uma grande ameaça para a guarda romana, que resultou na derrocada do Império Romano Britânico.

A lenda de Merlin como um mago sábio e velho

Na literatura Arthuriana, a obra em que o personagem de Merlin é mais presente, Uther Pendragon, marido da rainha da Cornualha e futuro pai de Arthur, teria enfeitiçado Vivian para que ela se apaixonasse por ele.

Embaraçada e envergonhada, Vivian pediu a ajuda de Merlin para que ela pudesse se esconder da vigilância dos romanos até dar à luz.

Com o auxílio de outra feiticeira chamada Ana, Merlin desenhou um tapete mágico sobre o qual Vivian pudesse viajar enquanto dava à luz.

Em alguns mitos, a travessia sobre o tapete mágico é tão forte que Arthur nasce com um ferimento na cabeça; em outros, o menino nasce sem nenhum sinal físico do parto trágico.

Merlin também ajudou Vivian a esconder Arthur até que ele ficasse crescido o bastante para enfrentar os romanos.

Linguagem de Merlin em livro

Na obra “The Once and Future King” (um dos clássicos da literatura Arthuriana, uma série de contos, historias e novelas de autoria do escritor britânico T. H. White, 1898-1966), o mágico Merlin foi apresentado aos leitores modernos pela primeira vez.

Depois da idade média, a história de Arthur sempre foi contada em uma linha dura e curta, uma linha que terminou com a morte dele.

Essa história, no entanto, vem da Idade do Bronze cuja versão mais longa (que durava 18 volumes!) conheceu muito mais sobre Arthur antes de seu triste fim.

Na verdade, o personagem de Merlin naquela história era tão importante quanto o próprio rei!

Quando o autor  encontrou o romance de 18 volumes, considerou muito longo e acadêmico e resolver escrever uma versão mais curta, mais empolgante da mesma história.

Merlin (também conhecido como o Príncipe dos Druidas, embora ele não tenha sido um) foi um dos personagens centrais da nova história – que está cheia de ação, humor e uma visão moderna sobre um dos mais fascinantes personagens lendários da história.

No final dessa obra de cinquenta volumes (não tem exagero!), Merlin voltou para a morte – o que parecia inevitável, já que havia morrido antes e voltou novamente.

O que nos ensina Merlin, no fim das contas

Ele nos ensina, no final, que o poder da magia está dentro de nós mesmos.  Ao contrário de Arthur, que se agarra às coisas externas, como armadura e escudo, ele usa a magia sempre que é necessário. Ninguém é mais feiticeiro do que ele.

Cover for Letrascri
304
Letrascri

Letrascri

Publicações e conteúdos digitais para diferentes suportes. Negócios digitais para o seu negócio

Comments Box SVG iconsUsed for the like, share, comment, and reaction icons
Carregar mais
Series Navigation

Fique Conectado

Conteúdo sempre atualizado